peso geográfico do voto em São Paulo

Fonte: EM

São Paulo – A diretora executiva do Ibope Inteligência, Márcia Cavallari, apresentou, nessa quinta-feira, nos Estados Unidos, estudo sobre o modelo de divisão do eleitorado paulistano desenvolvido pelo Estadão Dados em parceria com o instituto de pesquisas. O estudo, que tem como coautor José Roberto de Toledo, colunista do jornal O Estado de S. Paulo, mostra que o local de moradia tem mais peso na decisão de voto que outras variáveis, como renda, idade ou escolaridade. Cavallari apresentou os dados na 66.ª conferência da Wapor – congresso mundial sobre opinião pública, em Boston.

Na cobertura da campanha eleitoral de 2012, o Estado e o Ibope dividiram São Paulo em três áreas – pró-PT, anti-PT e volúvel – segundo o retrospecto das três votações anteriores na cidade. O modelo teve 100% de acerto no 1.º turno: Fernando Haddad (PT) venceu em todas as áreas petistas e José Serra (PSDB) ganhou nas antipetistas.

“O resultado dessa investigação excedeu nossas expectativas iniciais”, disse Márcia, destacando o fato de que o fenômeno que associa geografia e voto ocorre em outros lugares, como nos Estados Unidos.

“O mapa das últimas eleições presidenciais americanas mostra concentração de votos para o Partido Democrata nas regiões costeiras, enquanto quase toda a área central escolhe o Partido Republicano”, afirmou. “Essas seriam o equivalente, em São Paulo, às áreas pró-PT e anti-PT. Os chamados ‘swing states’ (que oscilam entre um e outro partido) seriam os distritos paulistanos volúveis.”

O estudo detectou que as áreas pró-PT são as com maior concentração de imigrantes, enquanto as zonas que rejeitam o partido “são predominantemente habitadas por famílias que vivem na cidade há gerações”.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.