“Ótimo e bom” é o grande eleitor de Dilma

Fonte: Grupom Blog

Por Alberto Carlos Almeida

Para o Valor, de São Paulo

 

A última pesquisa Datafolha trouxe dois indicadores de suma importância. A soma de “ótimo” e “bom” do governo Dilma Rousseff é 65% e a intenção de voto na presidente em primeiro turno é 58%. A obviedade é tudo: a maioria daqueles que votam em Dilma são os eleitores que avaliam seu governo como “ótimo” e “bom”. Descoberta a pólvora? Nem tanto assim, se julgarmos os inúmeros artigos e programas de TV nos quais em nenhum momento a relação entre uma coisa e outra foi apontada.
A eleição de 2014 será idêntica às eleições de 1998 e de 2006 em algo de grande importância: há reeleição. Quando Fernando Henrique foi candidato à reeleição, 85% de quem avaliava o seu governo como ótimo acabou votando nele. Já dentre os que avaliavam o governo Fernando Henrique como bom, 73% votavam nele. Essa proporção caía a 41% entre os que o avaliavam como regular e a não mais de 5% entre os que o consideravam ruim ou péssimo. Podemos afirmar que Fernando Henrique foi capaz de converter em votos aproximadamente 80% daqueles que avaliavam seu governo como ótimo ou bom.

 

Em 2006, quando Lula disputou a reeleição, o mesmo fenômeno ocorreu: 95% dos que avaliavam seu governo como ótimo votaram nele, assim como 82% dos eleitores que consideravam o governo bom. Isso é constatado graças às pesquisas de opinião realizadas em setembro de cada ano eleitoral. Basta cruzar a avaliação de governo e o voto.

Assim, na última pesquisa Datafolha, podemos considerar que aproximadamente 80% dos 65% que avaliam o governo Dilma como ótimo ou bom acabam votando nela. Multiplicando-se um pelo outro, obtemos 52% de votos. Na pesquisa, Dilma teve 58%. Isso quer dizer que os demais seis pontos percentuais são eleitores que avaliam seu governo como regular, a que se somam pouquíssimos que o avaliam como ruim e péssimo.
A opinião pública tem inúmeras regularidades. Uma delas é esta que acabamos de mostrar: em situações de reeleição, a maneira mais fácil de o governo vencer é por meio das avaliações “ótimo” e “bom”. Este é o principal eleitor de Dilma. Ao considerarmos isto, é possível entender, por exemplo, por que a intenção de voto da presidente é maior no Nordeste do que nas demais regiões: é lá que ela atinge a maior proporção de “ótimo” e “bom”.
Pode-se afirmar que a taxa de conversão da avaliação positiva em votos, nas últimas duas eleições em que o presidente pôde disputar a reeleição, ficou entre 80% e 85%. A questão principal é saber por que seria diferente em 2014. Que motivos levariam o eleitor a votar em menor proporção em uma Dilma que disputa a reeleição do que já fez com um Fernando Henrique e um Lula.
Um dos motivos poderia ser o bairrismo. O peso do voto regional poderia ser maior do que a avaliação do governo. Segundo este argumento, um contingente considerável de eleitores mineiros que avaliam o governo Dilma como ótimo ou bom deixariam de votar na presidente porque o mineiro Aécio, se eleito presidente, seria favorável a seu Estado. O mesmo pode ser dito acerca da relação entre Eduardo Campos e os nordestinos: eleja-se um presidente da região e o Nordeste ganhará muito com isso.
O regionalismo nordestino encontra uma barreira formidável pela frente: a visão majoritária no eleitorado da região de que Lula e o PT foram os que mais fizeram para melhorar a vida dos nordestinos. A melhoria das condições de vida, o aumento do poder de compra, a aposentadoria do jegue como meio de transporte em benefício da moto, a chance de viajar para fora de seu Estado para visitar os parentes, tudo que é associado ao aumento do poder de compra é considerado, no Nordeste, obra das administrações petistas.
Adicione-se a isso algo que somente quem faz pesquisa sabe. Quando se pergunta no Nordeste a que região Lula pertence, a grande maioria afirma que Lula é do Nordeste. Isso quer dizer que a eventual candidatura de Eduardo Campos encontrará dois obstáculos importantes em sua própria região, a avassaladora avaliação “ótimo” e “bom” de Dilma e o apoio que ela terá de Lula durante a campanha. Há, também, a rivalidade entre os três Estados mais importantes da região (Bahia, Pernambuco e Ceará), já externada na resistência dos irmãos Gomes, cearenses, à candidatura de Eduardo Campos, pernambucano.
Na eleição de 1998, Ciro Gomes, o candidato nordestino, conquistou no Ceará pouco mais de 34% dos votos. Igualmente importante foi a sua votação em vários Estados do Nordeste: 20,3% em Alagoas; 18,6% no Rio Grande do Norte; 18,5% no Piauí; 16,3% no Maranhão; 16% na Paraíba; e 11,3% em Sergipe. Nesses Estados, Ciro ficou acima de sua média nacional, que foi de 10,9%. Na Bahia e em Pernambuco, ele ficou abaixo. Outra coisa importante a considerar é que 1998 foi ano de reeleição. Ou seja, Fernando Henrique converteu 80% do seu ótimo e bom em votos mesmo com um candidato do Nordeste na disputa.
O regionalismo de Minas Gerais, segundo maior colégio eleitoral do Brasil, tem como precedente a disputa na qual o ex-governador do terceiro maior colégio eleitoral concorreu para presidente. Garotinho foi candidato em 2002 e naquela eleição grande parte de seus votos vieram do Rio de Janeiro.
A disputa entre PT e PSDB ocorreu em todas as eleições presidenciais, com exceção do caso atípico que foi o pleito de 1989. Foram cinco disputas nas quais esses dois partidos ou venceram ou foram o segundo mais votado. É difícil prever, no momento, que algo diferente venha a ocorrer em 2014.
É fato que os eleitores não são esquizofrênicos, ou seja, quem avalia o governo positivamente vota, em sua grande maioria, no governo; e quem o avalia negativamente vota, em sua maioria, na oposição. Em situações de reeleição, esta regra básica e óbvia da opinião pública fica mais evidente. É curioso notar que há muitos críticos das pesquisas de opinião que miram exclusivamente no voto. Eles afirmam que as pesquisas são manipuladas. No caso de uma situação de reeleição presidencial, não é necessário perguntar nada sobre o voto. Basta multiplicar por 0,8 a soma de “ótimo” e “bom” e será obtido o mínimo de votos que Dilma terá em 2014.
Do ponto de vista do governo, o mais importante é zelar para que a avaliação positiva de hoje seja a mesma, ou maior, na véspera do pleito em 2014. Grande parte do “ótimo” e “bom” tem a ver com o aumento real do poder de compra. Estamos, assim, diante do conflito entre política e economia. Politicamente, é melhor tolerar a inflação até o ponto em que ela não corroa o poder de compra dos salários.
Dentro deste cenário não há, portanto, incentivo para um aumento de juros que reduza o ritmo da atividade econômica. O crescimento do PIB em 2012 na casa do 0,9% mascarou, na mídia, que o aumento do consumo das famílias foi mais do que o triplo disso. A popularidade de Dilma está fortemente baseada no aumento do consumo das famílias, em particular quando a inflação não é suficientemente elevada a ponto de impedir que as pessoas venham a consumir menos, mês após mês.
A prioridade de qualquer político é conquistar e manter o poder. Entramos no ciclo da eleição presidencial. Qualquer ação que resulte em notícias negativas para a opinião pública é maléfica para o governo. Qualquer medida que prejudique o aumento real do poder de compra das famílias acabará levando a uma queda na aprovação presidencial.
Embora a eleição ocorra somente no final de 2014, uma aprovação elevada desde já tem consequências políticas relevantes, todas elas relacionadas ao fato de desestimular os aliados de hoje de se tornarem opositores de amanhã. Não deve haver surpresa, portanto, se o governo evitar aumentar os juros até, pelo menos, outubro de 2014. Os incentivos políticos apontam nessa direção.
Alberto Carlos Almeida, sociólogo e professor universitário, é autor de “A Cabeça do Brasileiro” e “O Dedo na Ferida: Menos Imposto. Mais Consumo”. E-mail: alberto.almeida@institutoanalise.com
www.twitter.com/albertocalmeida
Leia mais em:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.