Mídias sociais nos negócios B2B

http://www.ibramerc.org.br/pesquisa/detalhe/19

 

Pesquisa realizada em 18.04.2012

 

A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro de um cenário inserido em um mundo globalizado. O fato se deve à intensidade da ação atrelada a tecnologia e a informação. Uma das ferramentas que favorecem a flexibilidade da comunicação são as mídias sociais.

Estas representam redes on-line elaboradas com a intenção de aprimorar a interação por meio do compartilhamento de notícias e informações de diversos segmentos e formatos. Os conteúdos podem ser publicados por qualquer pessoa. Além disso, não é necessário um alto investimento de capital financeiro, já que a comunicação no mundo globalizado permite tal expansão.

Pesquisa

Com o objetivo de traçar um panorama referente à utilização das mídias sociais como ferramenta de apoio negócios no segmento B2B, o Ibramerc (Instituto Brasileiro de Inteligência de Mercado) aplicou uma pesquisa aos profissionais (gerentes e diretores) das áreas de comunicação, marketing e vendas. As perguntas foram aplicadas na primeira semana de abril e contou com a colaboração de quase 300 líderes.

Por meio do estudo o Instituto conseguiu elaborar um panorama de como as empresas estão utilizando as redes sociais como apoio as vendas e aos negócios, se as redes estão sendo utilizadas de forma efetiva, se não estão sendo usadas o motivo do desuso e a tendência para os próximos anos. De acordo com o estudo, a maioria das empresas utilizam as redes sociais como ferramenta de apoio. Os números apontam que a tendência esta ligada a expansão progressiva no uso deste tipo de rede.

Os itens deste estudo incluem:

– O segmento das empresas que responderam a pesquisa.

– As mídias sociais mais usadas nas empresas como apoio aos negócios.

– Quais áreas são responsáveis pelo monitoramento e atualização destas mídias.

– O motivo pelo qual as empresas utilizam as redes sociais.

– No caso de empresas que não trabalham com a ferramenta, os motivos pelos quais as empresas não aderiram o uso das mídias sociais.

– O peso que as mídias sociais possuem no planejamento estratégico das empresas.

– Que tipo de conteúdo as empresas divulgam nas mídias.

– A linguagem usada nas mídias para o segmento B2B.

– Interação das áreas das empresas.

– Os investimentos anuais neste tipo de ação.

As empresas pesquisadas têm adotado as ferramentas de mídias sociais, pois perceberam que poderia ser um utensílio inovador e barato. Além disso, o cliente deseja entrar em um novo universo, entender mais, interagir, discutir, trocar informações sobre os produtos ou serviços oferecidos.

O Ibramerc aplicou a pesquisa à quase 300 profissionais da área. A pesquisa aplicada no início de abril ouviu empresas de diversos segmentos. Entretanto a maior parte dos entrevistados está ligada ao segmento de manufatura com 40% das respostas. Em seguida, serviços com 36% e varejo, bens de consumo e transporte com 17%.

 

A informação rápida somada ao resultado instantâneo faz com que as empresas invistam em mídias sociais com o intuito de facilitar trabalhos relacionados aos negócios e vendas. De acordo com a pesquisa, 85% dos entrevistados afirmaram desenvolver e utilizar algum tipo de trabalho nas mídias sociais.

Além desta informação o estudo traçou quais redes têm sido utilizadas neste segmento. Por possuir o maior número de funcionalidades como mensagens, publicações, comentários, músicas, vídeos, calendário de eventos, comunidades, além da facilidade no manuseio, o Facebook tem sido a ferramenta mais usada pelas empresas como forma de aprimorar os negócios B2B, com 20% das respostas escolhidas pelos usuários.

O Twitter ficou na segunda posição com 17% dos entrevistados. Também foram citados Linkedin, Youtube, Orkut, Blog entre outros. Apesar do Linkedin ser uma ferramenta forte nos negócios B2B, a mídia ficou em penúltimo lugar, só ficou atrás do Flickr.

 

 

Os investimentos nas redes sociais por parte das empresas B2B é mais que comprovado, já que 71% dos profissionais afirmaram possuir uma área responsável pelo monitoramento e atualização das mídias. Este fato revela que os líderes têm atribuído importância à ferramenta.

Além disso, a pesquisa traçou quais áreas costumam ser responsáveis pela implantação e atualização dos conteúdos nas redes sociais. Constatou-se que o fato de estar ligada diretamente à estratégia de marketing e vendas, a área de marketing dentro das empresas é, na maioria das vezes o setor que domina a ferramenta postando informações, atualizando conteúdos, implementando ações nas mídias sociais e interagindo com clientes.

Entende-se que a ação de manter as redes sociais atualizadas e monitoradas é simples de administrar, já que apenas 8% dos profissionais entrevistados afirmaram contratar serviços terceirizados para executar a ação.

 

 

Dentre os motivos que impulsionam o uso das mídias sociais nas empresas B2B estão manter relacionamento com empresas do mesmo ramo, conjugar interação nas redes sociais, em eventos presenciais e alimentar o CRM da empresa.

Entretanto o principal motivador de tal investimento está ligado diretamente à ampliação dos efeitos de projetos de marketing já existentes. De acordo com a pesquisa, a maioria (28%) dos gerentes e diretores, que respondeu esta questão afirmou utilizar a mídia como apoio ao marketing e ideias já elaboradas.

A informação é evidente já que a área de Marketing, como dito anteriormente, é considerada a principal responsável pelo monitoramento e atualização das redes sociais dentro das empresas dos segmentos B2B.

Outro motivo que estimula o uso destas ferramentas é a preocupação em fazer e manter o networking, tanto on-line como off-line, com 17% das respostas.

 

Do total de profissionais que responderam não trabalhar com a ferramenta, 23% afirmaram que não utilizam as mídias sociais porque os clientes também não possuem redes sociais ativas. Dentre a pequena minoria que não trabalha com redes sociais, a maior parte acredita no sucesso da ferramenta, já que apenas 8% disseram não confiar nos efeitos finais.

 

As empresas de todo o Brasil têm usado com mais frequência as mídias sociais como apoio às vendas e aos negócios B2B. Entretanto, a ferramenta não possui grande importância nos planejamentos estratégicos das empresas, já que a maioria dos entrevistados (73%) atribuiu peso de 1 a 5 ao uso do instrumento. Apenas 1% das respostas equivale ao peso 9 e 10.

 

 

Nos negócios B2B os conteúdos divulgados nas redes sociais são restritos ao público alvo. Por essa razão, 25% dos líderes da área afirmaram publicar somente informações ligadas ao nicho em questão, assim as informações são bem trabalhadas e direcionadas.

Além disso, 24% disseram fornecer conteúdos interessantes como depoimentos em vídeos ou informação referente à empresa. Apenas 15% disseram tratar de temas amplos ligados ao mercado em geral.

 

As mídias sociais são consideradas ferramentas relativamente novas, portanto não existe um padrão na forma de comunicação. De acordo com a pesquisa, 43% dos profissionais responderam não possuir uma linguagem específica. Apenas 19% afirmaram usar linguagem informal e 38% usam formalidade no tratamento.

Apesar do crescimento no uso das mídias sociais como ferramenta de apoio aos negócios B2B, não há influência mutua dentro das empresas. O poder de interação nas mídias sociais ainda é centralizado. Ou seja, apenas uma área mantém a influência nas redes de acordo com 64% dos entrevistados. Além disso, a pesquisa traçou qual área dentro das empresas costuma interagir nas mídias sociais respectivas à própria empresa.

De acordo com o estudo, 51% dos entrevistados afirmaram que as áreas de marketing e comercial são as que mais interagem com a ferramenta. Sendo 27% Marketing, 24% comercial e 31% outras áreas como assitência técnica, desenvolvimento, unidades de negócio, projetos, presidência, call center, diretoria, comunicação, planejamento de produtos, pesquisa, tecnologia da Informação e Qualidade.

 

Os gastos anuais com as ferramentas de redes sociais são baixos, entretanto a maior parte das empresas não possui gastos fixos por ano. Segundo a pesquisa, apesar do aumento no uso das mídias sociais como ferramenta de apoio aos negócios B2B, as empresas não possuem investimentos fixos anuais para este tipo de ação. 55% dos entrevistados afirmaram não ter gastos e investimentos anuais com redes sociais e 23% possuem um gasto de até 50 mil reais por ano.

 

Conclusão

No Brasil as empresas têm usado com mais frequência as mídias sociais como utensílio de marketing e apoio às vendas. 84% dos profissionais ouvidos na pesquisa afirmaram utilizar a ferramenta como forma de interação com o cliente.

Entende-se que a ferramenta é importante, ajuda no número de vendas, mas não é considerada essencial na conclusão dos negócios. Isto porque a pesquisa apontou que apesar do uso ser mais frequente, o peso atribuído às mídias sociais quando se tratando de planejamento estratégico ainda é baixo.

Outro fator que impulsiona o uso destas mídias está relacionado aos investimentos e gastos anuais. Por ser um veículo on-line os investimentos monetários na ferramenta são considerados pequenos, as empresas e clientes interagem de forma simples, instantânea e barata. O estudo apontou que 55% dos profissionais não possuem um gasto fixo anual e a minoria (6%) investe mais de 300 mil reais por ano.

Das poucas empresas que ainda não aderiram às mídias sociais, 23% afirmaram que só não as usam porque os clientes também não as possuem. Fica claro que este cenário sofrerá mudanças, pois com linguagem simplificada, interação instantânea e atualizações frequentes o uso das mídias sociais como ferramenta de apoio ao marketing e vendas tende a crescer nos próximos anos.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.