Ambev extrapola na disrupção ao colocar Monja Cohen como embaixadora da marca

O budismo era a última filosofia religiosa imaculada e após o anúncio da Ambev deixou de ser, afirma especialista da ESPM

São Paulo, 13 de agosto de 2021 – A Ambev, empresa que detém algumas das mais importantes marcas de cerveja, anunciou que a monja Cohen será embaixadora da marca para a moderação. Embora monges católicos estivessem historicamente ligados à produção de cervejas, associar o zen budismo a uma marca que detém tantas bebidas alcoólicas gera estranhamento. “O último terreno sagrado caiu, foi corrompido. O budismo ainda é envolto nessa aura sagrada, que lhe dava um tom imaculado e, quando a monja se rende ao mercado, isso se perde”, diz o sociólogo, antropólogo e professor de tendências do consumo da ESPM, Fábio Mariano Borges.

Para Mariano, a Ambev foi atrevida e disruptiva demais. “O anúncio feito pela marca nos mostra que há uma fronteira, um limite na disrupção e, ao que tudo indica, nesse caso, ele foi ultrapassado”, afirma Fábio.

As cervejas eram produzidas no Egito antigo por mulheres e a imagem era associada a uma divindade feminina. Todos os anos era realizado um festival para a deusa Tefnuf, regado a cerveja. “A marca poderia ter associado a embaixadora monja a esse terreno do sagrado que sempre esteve ligado à cerveja, mas até agora não vimos nada nesse sentido”, afirma o professor.

Para Mariano, há debates realizados por muitos pesquisadores de como as marcas passam a ocupar espaços em todos os aspectos da nossa vida e como elas podem se tornar mais potentes que quaisquer líderes. “A questão que paira no ar é se até a esfera do zen agora está contaminada por uma marca. E se fosse a Natura causaria o mesmo espanto?”, diz.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.