53% dos corintianos são fanáticos

Esporte

Pesquisa realizada pelo Datafolha junto 1261 paulistanos com 16 anos ou mais revela que os torcedores corintianos são mais fanáticos do que os torcedores do outros times. O levantamento foi realizado entre os dias 20, 21 e 23 de agosto.

Para compreender o grau e vínculo entre os paulistanos e seus times de preferência o Datafolha criou uma escala que mede o fanatismo do torcedor. Considerando uma escala de zero a dez, onde zero significa nada fanático e dez muito fanático, os entrevistados indicaram o quanto são fanáticos pelo seu time.

Na análise, os torcedores são divididos em três grupos de acordo com o grau de fanatismo: heavy, médium e light. Entre os paulistanos que declararam torcer para algum time 44% são heavy, 47% medium e 8% light.

Entre os corintianos é observado o maior índice dos que fazem parte do grupo heavy: 53% são muito fanáticos. Entre os torcedores do Palmeiras esse índice é de 32%, entre os são paulinos chega a 38% e entre os santistas atinge 42%.

Perguntados sobre o grau de interesse pelo esporte, 35% dos paulistanos afirmam ter muito interesse por futebol, 46% um pouco de interesse e 19% nenhum interesse, portanto, para 81% da população o futebol desperta algum interesse. Para metade dos santistas (51%), o futebol desperta muito interesse, e entre os são paulinos em contrapartida, 35% são muito interessados pelo esporte. Entre os homens, 50% demonstram muito interesse pelo esporte, e entre as mulheres, esse índice é de 22%.

Para um terço (30%) dos torcedores paulistanos o time preferido é muito importante para suas vidas, 49% consideram um pouco importante e para 19% é nada importante. Novamente os corintianos se destacam, dos quais 35% deles afirmam que o seu time é muito importante nas suas vidas. Em contrapartida, para 27% dos palmeirenses, esse é o grau de importância que o time ocupa. Entre os santistas, esse índice é de 33%.

Entre os torcedores corintianos, 39% declaram que torcem para o mesmo time que seu pai torce ou torcia. Entre os torcedores palmeirenses esse índice é de 36% e entre os são paulinos é de 29%.

A maioria dos torcedores entrevistados possui filhos (60%) contra 40% que não. Entre os santistas, 67% têm filhos, índice que é menor para os corintianos (60%), para os palmeirenses, 55% e para os são paulinos, 54%. Dos entrevistados, 21% têm dois filhos, 19%, apenas um, e 11% três filhos. Outros 8% tem 4 filhos ou mais.

A média de filhos por torcedor é 2,37 para os palmeirenses, 2,23 para os corintianos, 2,10 para os são paulinos e 2,02 para os santistas.

Entre os pais que se declaram corintianos 63% afirmam que seus filhos torcem para o mesmo time. Entre os torcedores dos outros times esses índices são mais baixos: 51% entre os são paulinos, 37% entre os palmeirenses e 30% entre os torcedores do Santos.

A maioria dos torcedores (74%) afirma nunca ter se envolvido em discussão por causa do seu time de futebol. Outros 24% responderam que já haviam se envolvido em discussão por causa do time. Entre os torcedores do Corinthians 27% já se envolveram em alguma discussão por causa de seu time.

Em brigas, 91% dos entrevistados responderam que nunca se envolveram por causa dos seus times, e 7% que já haviam se envolvido em brigas. Outros 2% não responderam. Os índices de torcedores briguentos não se alteram significativamente entre as grandes torcidas.

A maioria dos torcedores nunca foi parada na rua para ser revistado por algum policial (66%). Outros 34% afirmaram já terem sido parados e revistados. Os homens (61%) são mais revistados que as mulheres (9%). Entre as torcidas, 37% dos corintianos e dos palmeirenses, assim como 34% dos são paulinos e dos santistas já foram revistados pela polícia. Entre os que já foram parados pela polícia, a média entre as torcidas é: 7,57 vezes para os santistas, 7,10 vezes para os corintianos, 7,07 vezes para os palmeirenses e 6,45 vezes para os são paulinos.

Perguntados se têm mais medo da polícia ou dos bandidos, 41% dos entrevistados responderam que têm medo dos bandidos, 30% têm medo tanto da polícia, quanto dos bandidos na mesma proporção, 19% da polícia e 8% de nenhum dos dois. Os mais velhos têm mais medo dos bandidos (52%) do que os jovens (43%), assim como 53% dos mais escolarizados.

Entre os torcedores, os palmeirenses (45%) são os que têm mais medo dos bandidos, e os corintianos, são os que têm mais medo da polícia (23%).

A Seleção Brasileira é mais importante do que o time de preferência para 45% torcedores, outros 36% atribuem maior importância ao time. Para os corintianos o Corinthians e Seleção Brasileira têm a mesma importância (41%, cada). Já os palmeirenses, são paulinos e santistas valorizam mais a Seleção Brasileira.

Entre as competições que o torcedor mais quer que o seu time vença estão: Taça Libertadores (54%), Mundial de Clubes (16%), Copa do Brasil (11%), Campeonato Paulista (4%). Não souberam responder, 4%, citações para nenhuma competição somam 1% e não responderam, 1%. A Taça Libertadores é o desejo de 67% dos corintianos. Entre os torcedores dos outros times esse índice é menos expressivo: são paulinos (49%), palmeirenses (41%) e santistas (42%).

Quando indagados sobre qual a personalidade viva ou morta tem a cara do Corinthians, Marcelino Carioca é citado por 11%, entre os torcedores do Corinthians esse índice chega a 17%. Ronaldo (sem especificar) é citado por 7%, mesmo índice de Vicente Matheus. Ronaldo Fenômeno tem 3% das citações, mesmo índice do presidente Lula. Com 2% das citações cada, aparecem Rivelino, Sócrates e parentes e amigos. Com 1% cada, surgem Biro Biro, Vampeta, Mano Menezes, Ayrton Senna, Garrincha, Dentinho, o argentino Carlito Tévez, Ronaldo (goleiro) e Viola. Outras respostas somam 16%, nenhuma personalidade, 2% e não responderam, 1%.

O Palmeiras é o principal rival do Corinthians na opinião de 55% dos entrevistados. Para 29% dos paulistanos, o São Paulo é o maior rival, e 3% acham que é o Santos. Flamengo aparece com 1% das citações. Dos palmeirenses, 77% afirmam ser o seu time o maior rival do Corinthians, assim como 59% dos próprios corintianos, 48% dos são paulinos e 46% dos santistas, acreditam que o Palmeiras é o maior rival do Corinthians.

Marcelinho Carioca é o maior ídolo do Corinthians

O que é ser corintiano? Essa pergunta foi realizada para todos os entrevistados. Para 19% dos paulistanos, significa ser louco, fanático, “doente”. Acham que ser corintiano é ser fiel sofredor ou sofrer sempre pelo time, 7% dos entrevistados, 6% acham que é ser baderneiro, rebelde, maloqueiro, briguento, 5% acham que ser corintiano é ser fiel ou ser fiel até a morte. Ser uma torcida feliz, alegre, animada, agitada, são citações feitas por 5% dos entrevistados. Amor eterno pelo time é citação feita por 4%, assim como ser simplesmente torcedor é citado por 3%, mesmo índice que afirma que ser corintiano é torcer com o coração, com garra, com raça. Outros 2% acham que ser apaixonado pelo time define ser corintiano, mesmo índice dos que dizem que ser corintiano é ser otário, bobo, trouxa, ou ainda mesmo índice dos que dizem que ser corintiano é “viver pelo time”, ou “uma religião”. Com 1% das citações cada surgem as seguintes afirmações: “tudo de bom”, “ser persistente ou acreditar no Corinthians”, “ser guerreiro”, “gostar de futebol ou ter amor pelo futebol”, “ser brasileiro”, “pessoas chatas ou arrogantes”, “apenas um torcedor” ou simplesmente “não é nada”. Outras respostas somam 8%.

Entre os corintianos, quando solicitados a se auto-definirem, 89% das citações são positivas, destacando-se: “ser fanático, louco”, com 9%, “ser fiel até a morte”, 9%, “ser uma torcida animada, feliz, alegre, agitada, ser feliz até na derrota, time que dá muitas alegrias”, com 10%, “amor eterno pelo time”, 8%, “torcer, ou ser torcedor”, 5%, “sofrer junto com o time”, 6%, “torcer com o coração, raça, garra, paixão”, 5%

O maior ídolo da história do Corinthians é Marcelinho Carioca, segundo 22% dos corintianos. Entre os corintianos declarados como heavy esse índice chega a 27%. Ronaldo Fenômeno é citado por 18% dos torcedores do Parque São Jorge, Rivelino, por 9%, Sócrates, por 7%, Neto, por 5% e Dentinho, por 4%. Com 3% das citações cada surgem Viola, Biro-Biro, e Ronaldo (goleiro). Casagrande aparece com 2% das citações, e com 1% cada, são citados: Vampeta, Basílio, Tevez, Felipe, Dida, Roberto Carlos, Rincón, Nilmar, e Gilmar. Outras citações somam 5% e não souberam responder 12% dos corintianos.

Entre os corintianos com mais idade, 24% dos que tem entre 45 e 59 anos citam Rivelino como maior ídolo, assim como 14% dos que tem acima de 60 anos. Dos mais idosos, 17% citam Sócrates como grande ídolo, mesmo índice anotado em prol de Rivelino pelos que tem renda familiar superior a dez salários mínimos.

Ronaldo é o jogador preferido do time atual

Quando perguntados sobre seu jogador preferido, 34% dos corintianos afirmam que é Ronaldo, 18% citam Dentinho, 6% Roberto Carlos e Bruno César cada , 5% cada, Jorge Henrique, Elias e Chicão. Seguem, com 2% das citações cada Julio César e Jucilei, e com 1% cada, Felipe, Alessandro e Half. Não souberam responder, 12% e 2% não citam nenhum jogador.

Perguntados sobre quem foi o melhor técnico da história do Corinthians, 53% dos corintianos afirmam que o atual técnico da Seleção Brasileira, Mano Menezes, é o melhor técnico da história do Corinthians. Entre os torcedores heavy esse índice chega a 60%. Wanderley Luxemburgo é lembrado por 10% dos corintianos e Osvaldo Brandão, por 7%. Com 2% de lembranças cada, aparecem Oswaldo de Oliveira e Parreira, e com 1% cada, Basílio e Jair Pereira. Emerson Leão, Muricy Ramalho e Mário Sérgio foram citados porém não alcançaram 1% das citações. Não souberam apontar o melhor técnico 24% dos corintianos.

O título mais importante na história do Corinthians é o mundial de 2000. Pelo menos é o que afirmam 42% dos corintianos. Para 16% deles, o campeonato paulista de 1977, após jejum de 23 anos sem títulos. Outros 10% afirmam que o campeonato brasileiro de 1990 foi o título mais importante. Para os corintianos mais idosos (acima de 60 anos), 29% acham que o mundial de 2000 foi o título mais importante, e 26% acham que o campeonato paulista de 77 foi mais importante. Outros títulos lembrados pelos corintianos somam 3% das citações e os torneios Copa do Brasil (s/ especificar) e Campeonato Paulista de 2009 somam 1% cada. Ainda foram lembrados pelos torcedores do Parque São Jorge, Brasileiro de 2005, Copa do Brasil de 2002, e Campeonato Brasileiro de 1998, porém não alcançaram 1% das citações. Não souberam responder, 27%.

Para os corintianos, Neymar do Santos poderia jogar no seu time. É o que afirmam 72% dos torcedores entrevistados, porém Marcos do Palmeiras e Rogério Ceni, do São Paulo, não seriam aceitos pela torcida. Os índices de rejeição aos dois goleiros são 53% e 54%, respectivamente. Aceitariam os goleiros no time, 42% (Rogério Ceni) e 43% (Marcos). Não aceitariam Neymar, 25%.

Entre os homens, a rejeição ao goleiro são paulino é ainda maior: 62% não aceitariam Rogério Ceni, assim como 65% dos corintianos com renda familiar entre cinco e dez salários mínimos e 60% dos corintianos mais ricos. A rejeição corintiana a Marcos é maior entre os mais jovens (66%).

Para os corintianos a avaliação do atual presidente do clube é positiva: 64% aprovam a gestão Andrés Sanches, 29% avaliam como regular e 2% como ruim ou péssimo. Não souberam responder, 4%. Entre os corintianos homens, o presidente é ainda melhor avaliado: 74% de avaliações positivas, sendo 32% ótimo e 42% bom. Entre os torcedores corintianos heavy a aprovação ao desempenho de Andrés Sanches chega a 73%.

Sobre a honestidade de alguns presidentes do clube, os seus torcedores acham que Andrés Sanches é mais honesto do que foi Alberto Dualib e que Vicente Matheus. As citações para honesto são, respectivamente: 57%, 14% e 36%. Para desonesto, 11%, 53% e 27%. Não souberam responder em relação a Andrés Sanches, 31%, em relação a Alberto Dualib, 33%, e em relação a Vicente Mateus, 37%. Os mais idosos, que vivenciaram melhor a gestão Vicente Mateus, acham que ele foi mais honesto (57%). Os homens, por sua vez, acreditam na honestidade de Sanches (72%) e na desonestidade de Dualib (73%).

27% dos corintianos consideram o Pacaembu estádio do time

Para todos os entrevistados, foi perguntado se, em algum momento da história, o Corinthians subornou algum juiz. 37% dos entrevistados responderam que sim e outros 37% afirmaram que não. Não souberam responder, 26%. Porém, entre os corintianos a percepção é outra: 62% deles acham que não houve suborno em momento algum, contra 24% que acreditam ter havido essa prática em algum momento. Entre as torcidas adversárias, há uma inversão nessa percepção: para os palmeirenses, 52%, para os são paulinos, 50% e para os santistas, 52% acreditam que já houve suborno corintiano.

Um terço dos paulistanos (27%) considera o Parque São Jorge o estádio do Corinthains, entre os torcedores do time esse índice é de 30%. O Pacaembu é citado como estádio do Corinthians por 27% dos corintianos e por 17% dos paulistanos. O estádio do São Paulo, o Morumbi, é citado como de posse corintiana por 2% dos entrevistados, e por 2% dos corintianos. Afirmam que o Corinthians não possui estádio próprio, 25% dos entrevistados (23% dos corintianos). Não souberam responder 29% dos entrevistados, e 18% dos corintianos.

A maioria (78%) dos paulistanos é favorável que o Corinthians tenha seu próprio estádio. Esse índice é quase unanimidade entre os torcedores corintianos (96%). Dos entrevistados, 11% são contrários, 9% indiferentes, e 2% não souberam responder.

E quando perguntados sobre a possibilidade do Corinthians ter ou não o seu próprio estádio, 79% dos paulistanos e 93% dos corintianos acreditam que o clube terá a sua arena. Não acreditam que o Corinthians terá um estádio 20% dos paulistanos e 7% dos corintianos.

Em relação ao bairro que deveria ser construído o estádio do Corinthians, 43% citam Itaquera (48% entre os corintianos), 12% acham que deveria ser em Pirituba , e outros 2% citam o Morumbi e Tatuapé. Com 1% das citações cada aparecem as localidades: zona leste, Guarulhos, Barra Funda, Centro, Parque São Jorge, Pacaembu, interior do estado, e zona sul. Outras citações somam 11% e não souberam responder, 21%.

Metade dos corintianos aceitaria contribuir com dinheiro para construção de um estádio para o Corinthians (48%), outros 51% não aceitariam essa hipótese. Entre os torcedores, 77% não contribuiriam com a construção e 22% contribuiriam. Nota-se que 8% dos palmeirenses, 6% dos são paulinos, e 4% dos santistas contribuiriam com dinheiro para a construção.

São Paulo, 27 de agosto de 2010

http://datafolha.folha.uol.com.br/po/ver_po.php?session=1034

 

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.