Mês: novembro 2013

Innovative Idea for the Future of Market Research


blank001.gif

Chart the Future of Market Research by supporting innovative ideas

open.aspx?ffcb10-fe651771706406747314-fdb515737c6201747511737c6c-ff301771776d-fe5a15767260067a7217-fdf81576726d007e71177174-ffcf14&d=10037

Have an idea that helps brands better understand consumers?
Want to support the creation of the solutions of the future?
This is your chance to make a difference.

The Insight Innovation Competition helps budding entrepreneurs bring disruptive ideas to life, while connecting brands to fresh and untapped sources of competitive advantage through deeper consumer understanding.

Let yourself get excited, find inspiration, and have fun!

Submit Your IdeaDiscover Ideas and Vote

Submissions and voting are now open and will run through December 18th, 2013

In this fourth round, we’re giving new innovators the opportunity to submit their concepts for a crowdsourced round of voting. Past participating companies have seen their businesses accelerate due to their involvements in the Insight Innovation Competition, resulting in funding, partnerships, new clients, and global brand exposure.

CHECK OUT THE WINNER PRIZE >>

HERE’S HOW IT WORKS

· A startup submits a great idea that will change the future of marketing research and consumer insights.

· The industry votes on the ideas that have merit through an idea-ratings platform.

· Five finalists are selected to pitch their ideas to a panel of judges at the Insight Innovation Exchange Europe 2014.

· The winner gets mentoring, fame, and exposure to a large international audience of potential prospects, funding partners and investors, including the European Commission CORDIS (available fund of $75B), Lowe’s Innovation Lab, and independent venture capitalists and angel investors.

· The industry benefits from a great new solution that improves how companies understand consumers.

GET STARTED NOW >>

Don’t miss this chance to make a difference.
And, join us for the live voting round and presentations at
the Insight Innovation Exchange Europe 2014

Lowe's Innovation Lab The Insight Innovation Competition is collaborating with the Lowe’s Innovation Lab to help competition entrants gain awareness within a broad consortium of global brands.

All participating companies will be vetted for inclusion in the Lowe’s Innovation Lab program. Selected participants will gain guaranteed organic funding through pilot programs with program partner companies, as well as access to acceleration resources for marketing, strategy, finance, and business development.

IMAGINED AND ORGANIZED BY

GreenBook

COMPETITION PARTNERS

Competition Partners

Copyright © 2013 GreenBook. All rights reserved.
This email was sent by: New York American Marketing Association 116 E 27th Street 6th Floor New York, NY, 10016, USA

Unsubscribe | Update Profile

Top 10 market research blogs


Fonte: OnDeviceResearch

Top 10 market research blogs

in Mobile research news
 

As a mobile market research company, we like to keep updated about the latest innovations and trends within our industry. As well as writing for our own blog, we also love to read other market research blogs – they’re great for catching up on the wider market research industry, as well as gaining insight into other companies’ (and individuals’) perspectives.

Therefore, we decided to do all the hard work for you and have compiled a list of our favourite market research blogs for you to peruse!

GreenBook Blog

GreenBook Blog provides original insight into the challenges faced by the market research industry today. Contributors from both sides of the table share their expertise and offer unique perspectives on a wide variety of issues, both strategic and tactical.

The most content we’ve come across in a blog, with daily updates, it’s certainly dedicated to being a market research blog.

www.greenbookblog.com

GreenBook Blog market research

Vision Critical

Clean, informative and easy to navigate. Vision Critical has produced some fantastic visual infographics in the past, like Evolution of Insight; not forgetting that each blog post is nicely written and clear to understand.

www.visioncritical.com/blog

Vision Critical Blog market research

NewMR by Ray Poynter

NewMR is a collaborative endeavour, designed to help co-create the future of market research by combining the best of the new with the best of the old.

NewMR are heavily active online and have plenty of useful formats/avenues, such as a LinkedIn group and online conferences, for any market researcher to get involved in the latest news.

www.newmr.org/blog

New MR Blog market research

Love Stats by Annie Pettit

I am a market research methodologist who blogs about social media research, surveys, statistics, charts, and more. My goal is to keep research real, current, and fun.

She recently blogged live, straight from the 2013 ESOMAR Congress in Istanbul – a practise which she actually undertakes as a means of note-taking for herself. Great for those MRs who don’t always get the opportunity to leave their desk but want to stay in the loop.

lovestats.wordpress.com

Love stats annie pettit Blog market research

Brian Juicer Blog

A blog by BrainJuicer about how people behave (and what we do about it)

Deemed most innovative Market Research company in 2011, this blog opens the door to all their BrainJuicer thoughts. Their articles, based on issues or thoughts that arose during their own work will likely provoke your own inner discussion of the topic.

brainjuicerblog.wordpress.com

Brainjuicer Blog market research

 

 BONUS : Tom Ewing of BrainJuicer has his own blog,blackbeardblog.tumblr.com, this time all opinions are his own.

 

Landmark by Discovery Research Group

A quirky, likeable blog that faithfully looks at Market Research from the perspective of a Market Researcher.

www.discoveryresearchgroup.com/Landmark

discovery research group landmark Blog market research

Question Science

Exploring the art and science of designing surveys. Looking at the best ways to engage and communicate with survey respondents and how to generate effective feedback from your surveys. It explores and identifies new ideas and techniques surrounding online research.

Written by Jon Puleston, who is the VP Innovation of the GMI interactive division at Lightspeed Research, my favourite parts are when he covers mrx ‘buzzwords’ in his articles. On the whole, it is a very informative blog, albeit infrequently updated.

question-science.blogspot.co.uk

question science lightspeed Blog market research

QualBlog by 20|20 Research Inc.

QualBlog is a blog provided by 20|20 Research, Inc. and written by Jim Bryson, CEO and Founder. QualBlog will include stories on qualitative techniques, the qualitative research industry, and other items of interest to qualitative researchers.

While it can be very 20|20-centric, which is to be expected, Jim does provide useful insights and links to qualitative-related market research content.

qualblog.com

qualblog 20|20 Blog market research

iModerate

Funny and engaging blog that spans both market research and marketing. The blog is made for Market Researchers who not only want to be kept updated on their industry, but who also enjoy compelling, and often light-hearted, content. Their team list in the sidebar includes a direct link to each author’s latest article – great if you have a favourite!

www.imoderate.com/category/blog

imoderate Blog market research

The Pert Group

We’re authors of interesting things. We write to bring you a clearer point of view.

Good-looking blog from a research-based consultancy group. They write about interesting data, and often indulge in a bit of humour.

blog.thepertgroup.com

pert group market research

 

VIDEO BONUS: Market Research Society

With over 27,000 views of its YouTube channel, the Market Research Society offers mrx content for those who prefer it in a more immersive format. 

www.youtube.com/user/researchconferences/videos

pert group market research

#vaga


ANALISTA DE PESQUISA DE MERCADO PL.

Honda – São Paulo, SP

Atribuições:
Gerenciamento da base de dados dos clientes; Controle e execução de pesquisas mercadológicas;

Elaboração e planejamento de projetos de pesquisa de mercado, coordenação de campanhas de pesquisa.

Requisitos:
Formação superior completa;

Experiência em metodologia de pesquisa de mercado quantitativa e qualitativa;

Conhecimento em algum software estatístico;

Imprescindível Inglês avançado/fluente;

Local: São Paulo – Zona Sul, com disponibilidade de mudança para região de Sumaré (A partir de 10/2014).
De Honda – há 1 dia

Honda

127 avaliações

Visualizar Vaga Salvar esta Vaga

“brasileiro se considera um povo preconceituoso”


Fonte: Portaldapropaganda

Pesquisa desenvolvida pela Expertise revela que o brasileiro se considera um povo preconceituoso

Pesquisa desenvolvida pela Expertise revela que o brasileiro se considera um povo preconceituoso

Levantamento realizado via web revela que três em cada quatro entrevistados acham que a população, de maneira geral, é preconceituosa e aponta opiniões referentes à vida corporativa, comportamentos e sobre projetos de lei polêmicos.
A Expertise (www.expertise.net.br), uma das maiores empresas de pesquisa e inteligência de mercado do país, realizou um estudo para avaliar o nível de preconceito presente em nossa sociedade.

Com coleta de dados online realizada através da plataforma Heap Up (www.heapup.com.br), o resultado impressiona. Foram 1215 entrevistas, com pessoas de ambos os sexos, de todos os estados do País e das classes A, B, C e D. Do total, 72% consideram o brasileiro preconceituoso e 61% afirmam que as pessoas utilizam o preconceito para se promover.

Quando perguntados a respeito da própria conduta, os dados mudam bastante. 80% dos entrevistados contratariam um homossexual feminino e 82% um homossexual masculino. (isso significa que duas em cada 10 pessoas não contratariam um homossexual, independente do gênero), 91% empregariam um negro e 94% um deficiente físico. No entanto, 53% afirmaram que não empregariam um ex-presidiário.

Quando questionados sobre a aprovação ou não das cotas para negros em universidades, 50% disseram ser contra, enquanto 41% das pessoas são a favor e 9% não tem opinião formada sobre o tema.

Se o assunto é homossexualidade, os números levantados revelam um cenário interessante. 45% dos entrevistados são a favor do casamento entre pessoas do mesmo sexo e 38% são contra. Os dados são bastante próximos no caso de adoção homoparental. 48% responderam ser a favor da adoção por casais formados por pessoas do mesmo sexo, enquanto 36% são contra.
A pesquisa abordou também o conhecimento dos entrevistados sobre leis polêmicas que estão tramitando no legislativo brasileiro. Apenas 20% das pessoas pontuaram conhecer bem o PLC122, que visa a criminalização da homofobia, mas 54% dos entrevistados estão de acordo com o projeto. Além disso, 26% afirmaram conhecer detalhes do PDC234/11, que autoriza psicólogos a oferecer tratamento a homossexuais. Trata-se do polêmico e conhecido projeto da “cura gay”, do qual 54% das pessoas discordam.

Para Christian Reed, CEO da Expertise, o estudo mostra que a questão do preconceito ainda precisa evoluir. “Infelizmente, a sociedade brasileira como um todo ainda não está livre do preconceito”, afirma.

Mais sobre a Expertise – http://www.expertise.net.br:

A Expertise, empresa de inteligência e pesquisa de mercado, foi fundada em 2004 e trabalha de forma diferenciada, conhecendo em profundidade seus clientes e o mercado em que estão inseridos para oferecer as melhores técnicas de pesquisa e entrega de resultados de alto valor estratégico. A empresa tem, atualmente, escritórios em Belo Horizonte (MG) e São Paulo (SP), call center próprio com 60 posições de atendimento e uma equipe multidisciplinar formada por mais de 130 colaboradores de diferentes áreas de conhecimento, como estatísticos, engenheiros, médicos, sociólogos, publicitários etc. Os estudos são realizados com metodologias quantitativas e qualitativas, em todo o país, por meio de técnicas variadas. São mais de 40 empresas atendidas, em áreas como telecomunicações, saúde, consumo, varejo, finanças e educação, entre outras.

#vaga


Analista de Pesquisa de Mercado

Tracks Promoções – São Paulo, SP

Responder pelo controle e execução de pesquisas mercadológicas, elaboração e planejamento de projetos de pesquisa de mercado e coordenação de campanhas de pesquisa. Experiência com pesquisas mercadológicas e pesquisa de mercado quantitativa e qualitativa. Ensino Superior completo. Necessário bom conhecimento de software estatístico.
Regime de contratação: CLT (Efetivo)
De Azul Empregos – há 19 horas
Visualizar Vaga Salvar esta Vaga

Nielsen assume controle da joint venture


Nielsen assume controle da joint venture com Ibope no Brasil

Por Gustavo Brigatto | Valor

SÃO PAULO  –  A empresa de pesquisa americana Nielsen assumiu o comando da joint venture que mantinha com a brasileira Ibope para estudos na área digital.

Criada em 1998, a Ibope Nielsen tinha participação majoritária da companhia brasileira, que vendia alguns produtos da Nielsen no país, como o NetRatings.

Pelo novo acordo, a companhia americana ficou com o controle e assumiu a operação do NetRatings. A iniciativa conjunta passa a se chamar Nielsen Ibope e os cerca de 20 funcionários que ficavam no Ibope passam para o escritório da Nielsen em Cotia, cidade próxima a São Paulo.

Nem o valor, nem os percentuais envolvidos no negócio não foram revelados.

Os negócios serão comandados por Thiago Moreira, que era diretor de telecomunicações da Nielsen.

Ao Valor, o executivo disse que a mudança societária foi ocasionada pela introdução no país de uma nova metodologia de medição de publicidade na internet, o Nielsen Online Campaign Ratings. Desenvolvido há dois anos e meio, o produto já está disponível em cinco países.

“Lançar esse produto exige um trabalho complexo com o mercado. E nós já temos a experiência de como fazer. Por isso resolvemos assumir o controle da joint venture neste momento”, disse Moreira.

© 2000 – 2013. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.

Leia mais em:

http://www.valor.com.br/empresas/3305532/nielsen-assume-controle-da-joint-venture-com-ibope-no-brasil#ixzz2lUVsnynA

GfK começa a operar em 2014


Fonte: Adnews

Concorrente do Ibope começa a operar em 2014, diz site

Concorrente do Ibope começa a operar em 2014, diz site (Reprodução)

O Instituto alemão Gfk, concorrente do Ibope, vai começar a operar no Brasil em 2014, conforme noticia o site Noticias da TV, em nota assinada pelo jornalista Daniel Castro.
Uma medição mais robusta e também mais barata vem sendo oferecida pela empresa, que tem como principais financiadores os canais Record, SBT, Band e Rede TV!.
Os contratos ainda não foram assinados por estas redes, o que deve acontecer nos próximos meses. Será montado um painel nacional e painéis regionais em 15 metrópoles, como acontece com o Ibope.
Segundo o NTV, a Globo observa as negociações, mas defende a exclusividade do Ibope.
Financiado por Record, SBT, Band e Rede TV, o instituto alemão GfK deve começar a medir audiência no Brasil em janeiro, ainda em fase de testes. Os primeiros relatórios consolidados, tidos como válidos, devem chegar ao mercado no começo do segundo semestre de 2014.
O intermediário para as negociações é o publicitário Fabio Wajngarten, diretor do Controle da Concorrência, serviço que monitora inserções comerciais na TV.
#mundodapesquisa

pesquisa de mercado não funciona?


Fonte: Estadão

Qual é o preço certo?

Cientista diz que pesquisa de mercado não funciona e defende o uso de ‘mecanismos neurais’ para definição de preços

 

A mais revolucionária análise do capitalismo no momento surgiu na pequena cidade de Aspach, localizada no sudoeste da Alemanha, próxima de Baden-Württenberg, conhecida por seus habitantes trabalhadores e ativos.

 

Kai-Markus Müller, sentado em seu escritório num prédio discreto na cidade, faz uma reflexão sobre a rede de cafés Starbucks. “Todo mundo acha que eles descobriram como vender um produto relativamente barato cobrando muito. Mas o curioso é que mesmo a Starbucks não compreende isso”, diz ele.

Neurobiólogo, Müller não critica as condições de trabalho na multinacional especializada em bebidas quentes. Pelo contrário, o que ele quer dizer é que a companhia com sede em Seattle deixa de ganhar milhões de dólares ao ano por pura ignorância. A razão? Ela não cobra o que deveria pelo café que oferece.

A observação é quase ofensiva. Mas Müller está convencido de que os clientes, na verdade, estariam dispostos a pagar mais por produtos pelos quais a Starbucks já cobra caro. A pesquisa de mercado clássica não funciona corretamente, segundo ele.

O pesquisador de cérebros é também um profissional de vendas. Müller trabalhou na Simon-Kucher & Partners, importante consultoria internacional que orienta empresas a fixarem preços adequados para seus produtos. Mas ele logo perdeu interesse no trabalho ao perceber que “a pesquisa de mercado clássica não funciona corretamente”. Na sua opinião, a credibilidade das pessoas pesquisadas é limitada quando elas devem afirmar honestamente o quanto estariam dispostas a pagar por um produto.

Método científico. Em vez disso, Müller está utilizando “mecanismos neuroniais”, enraizados no cérebro humano, “que não podemos deliberadamente desconectar”. Na verdade, existe um centro em nossa massa cinzenta que monitora a proporcionalidade independentemente da razão. Essa região do cérebro funciona de acordo com regras simples. Por exemplo, café e bolo fazem sentido, ao passo que a combinação de café e mostarda desencadeia um alarme. Os especialistas reconhecem a reação defensiva inconsciente com base em certas ondas que são visíveis com a ajuda da eletrencefalografia. Será que esses gráficos também revelam alguma coisa sobre a disposição do consumidor a pagar pelos produtos?

Tomando como exemplo uma pequena xícara de café, que a Starbucks cobra 1,80 (US$ 2,45) em Stuttgart, Müller foi mais a fundo na questão. Ele mostrou a um grupo de indivíduos a mesma xícara de café numa tela várias vezes, mas com diferentes preços a cada amostra. Ao mesmo tempo, uma eletrencefalografia traçava a atividade cerebral dos indivíduos.

Especialmente no caso de ofertas caras, dentro de milésimos de segundos reações fortes surgiam no cérebro. Os preços que eram excessivamente baixos ou altos, como 10 centavos ou 10 por xícara, eram inaceitáveis para o mecanismo de controle do cérebro. “Quando o cérebro processava preços inesperados e desproporcionais, as sensações de choque, dúvida e espanto se manifestavam”, disse Müller.

Com base nos resultados do estudo, as pessoas ouvidas na pesquisa mostraram-se dispostas a pagar entre 2,10 e 2,40 por uma xícara de café, valor bem mais alto do que o cobrado pela Starbucks. “Em outras palavras, a empresa está deixando de lucrar milhões porque não está explorando completamente a disposição dos consumidores a pagar mais pelo seu produto”, disse ele.

Experiência. Juntamente com cientistas da Universidade de Ciências Aplicadas de Munique, Müller aprofundou o experimento. A equipe de pesquisadores instalou uma máquina de café no saguão do restaurante da universidade, onde os estudantes pagavam 0,70 por um café e 0,80 centavos por um cappuccino. Não havia preço fixo para o “latte macchiato” e cabia aos alunos decidir o que pagar pela bebida.

Algumas semanas depois, o preço médio do “latte macchiato” entre os alunos se manteve em 0,95. Müller, então, voltou ao laboratório com um número de entrevistados menor. Mais uma vez apresentou a bebida com seus preços para as pessoas, cujas ondas cerebrais foram medidas. O resultado surpreendente foi que, na média, o cérebro sinalizou sua aprovação a um preço médio de 0,95 – prova de que o preço ideal de um produto pode ser determinado sem uma pesquisa, seja lá qual for.

“Um estudo como este jamais foi realizado antes, embora os cientistas já venham estudando as ondas cerebrais há décadas”, disse Müller. Mas alguns consumidores devem ficar horrorizados com este sistema para fixação de preços que os cientistas já estão qualificando como uma revolução na área de marketing: ou seja, a determinação de um preço justo baseado em testes cerebrais no laboratório.

Da perspectiva do neurocientista, contudo, o temor do cliente é infundado; “Todos ganham com este método”, disse ele. E cita como evidência o número tremendamente grande de desastres na economia de consumo. Cerca de 80% de todos os novos produtos fracassam, desaparecem das prateleiras depois de um breve período e não são mais vistos.

Las 5 bases prácticas de la innovación


Fonte: Merca20

La innovación ha sido la constante que acompaña a la evolución en el mundo. Innovar es el desarrollo y aplicación de nuevas “soluciones” para satisfacer nuevas necesidades y exigencias (existentes o inexistentes), para traducirse en un impacto positivo en la sociedad.

Con el tiempo, la innovación se ha convertido en un factor preponderante para el desarrollo y éxito de cualquier negocio. Sin embargo, gracias a la franca aceleración en la velocidad de los cambios de la mayoría de los mercados, innovar se ha convertido en un elemento indispensable de supervivencia para cualquier empresa que pretenda competir en el ambiente económico actual.
Ahora bien, aunque la única regla de la innovación es que “No hay reglas”, hay ciertos parámetros que al considerarlos nos pueden ayudar a ordenar y estructurar mejor nuestra forma de innovar. A continuación te comparto 5 principios esenciales:

1. Establece una cultura.
Como bien sabemos, la única constante es el cambio. Así pues, la manera más fácil de fomentar la innovación es integrándola a la cultura de la empresa. Por un lado, es muy importante darle al staff la autonomía – y la responsabilidad – de buscar nuevas ideas y probarlas. También es muy importante apoyar la toma de “riesgos” con una buena dosis de tolerancia a los fracasos. En lo individual, no esperes a que una organización establezca una cultura deinnovación sino también crea la tuya propia. Las cuatro áreas para explorar al momento de innovar son la creatividad, asumir riesgos, la colaboración y la orientación al cliente. A la hora de establecerlas, asegúrate de que son medibles y de que concuerdan con la misión y cultura de innovación de la empresa.

2. Provee un entorno adecuado.
La innovación puede ser una palabra de “moda” en una empresa o una parte fundamental y continua de su estrategia de negocio. Proveer un entorno adecuado no solo tiene que ver con establecer una cultura de innovación, sino que para incentivarla, hay que mantenerla alejada (dentro de lo posible) de las políticas y obstáculos internos de una organización que le impidan desarrollarse. Abrir un espacio formal y determinado para trabajar en “cosas nuevas” es una forma excelente de darle rienda suelta a la innovación. Una vez que una idea muestra potencial, se puede comenzar a trabajar en regresarla a la estructura original de la organización.

3. Facilita su compenetración en todas las áreas.
La verdadera innovación en los negocios tiene que ver con mejoras continuas (e incrementales) en la productividad y en el ahorro de costos de los procesos de negocio existentes. La innovación se debe convertir en una práctica de negocio de tiempo completo y fundamental tan importante como cualquier otro para todos los empleados. No es “algo” que ocurre en algún momento o de lo que un departamento esté a cargo. Es decir, no es el trabajo de “alguien”, sino más bien de todos.

4. Determina las métricas relevantes.
El porcentaje de ventas o ganancias que se dedicará a la innovación, así como la cantidad de recursos de la empresa que se dedicarán a fomentar, capacitar y empoderar la misma son algunas de las métricas potenciales que se pueden monitorear.

5. Mantén un equilibrio coherente.
Toda empresa necesita un equilibrio entre la explotación de sus negocios existentes, el crecimiento sostenido en sus mercados y la innovación. Definir el equilibrio entre ésta y las prácticas repetitivas del negocio es fundamental para obtener un beneficio real. La innovación es un proceso y como todo proceso, los esfuerzos deben dirigirse hacia la continuidad y no hacia buscar la “perfección instantánea”. Es muy importante “pensar en grande” pero siempre trabajar y enfocarse en “pequeño”.

¿Cómo entiendes la innovación? ¿En tu empresa hay cultura de innovación? ¿Hacia dónde crees que debes dirigir tus esfuerzos por innovar?

Participa en este espacio y sígueme @carlosluer

¡Saludos!

ACCOUNT PLANNING SCHOOL OF THE WEB


GP FECHA PARCERIA COM ACCOUNT PLANNING SCHOOL OF THE WEB

 

Vencedor do melhor trabalho ganhará ingresso para assistir a Conferência do Grupo de Planejamento

 

São Paulo, novembro de 2013 – O Grupo de Planejamento, entidade sem fins lucrativos que busca desenvolver atividades do setor no país, e o coletivo Unplanned são parceiros do atual projeto que a Sandbox Escola de Estratégia traz para o país. Trata-se da versão brasileira da Account Planning School of the Web (APSotW), ação de treinamento digital para estrategistas que surgiu em 2005 na Inglaterra e busca colaborar para a formação de profissionais cada vez mais qualificados para o mercado de trabalho. A participação é gratuita e os interessados devem se inscrever até o dia 21 de novembro.

O primeiro exercício pode ser acessado aqui, onde há todas as instruções para a realização do desafio, o qual propõe que o candidato faça uma lista com as cinco principais questões estratégicas que a Glacéau/ Energy Brands precisa considerar para lançar um produto no Brasil. A relação dos tópicos, como cultura, mercado e consumidores, deve ser levada em consideração. O objetivo do primeiro exercício é praticar um dos principais pontos que um estrategista precisa dominar – a formulação de hipóteses iniciais, a opinião inicial com base no repertório que já carrega. A atividade é individual e a meta do projeto é orientar os estrategistas por meio de feedbacks sobre os próprios trabalhos.

 

O projeto é aberto a todos que tenham interesse em fazer parte da iniciativa, entre eles, planejadores que atuam em agências. Pessoas que não têm prévia experiência também podem realizar o exercício. Dessa forma, terão a oportunidade de praticar as próprias ideias em uma inciativa democrática e online. O resultado será divulgado no blog onde está hospedado a Account Planning School of the Web:http://planningschool-web.com.br.

 

As tarefas serão avaliadas pelos sócios da Sandbox, Daniel De Tomazo e Felipe Senise, este que é diretor de planejamento na Loducca, e André Foresti, editor do Unplanned e diretor de planejamento da F\Nazca Saatchi & Saatchi em São Paulo. O júri também é formado por dois representantes do GP – Caio Del Manto, diretor de Estratégia de Marca/LatAm da Mondelez International, e Raphael Barreto, vice-presidente de planejamento na Giovanni+DraftFCB. São esses nomes que darão orientação e retorno específico para cada participante do primeiro exercício, com objetivo de fazer com que estrategistas evoluam com base em uma avaliação prática e sênior de seus trabalhos.

 

O autor do melhor trabalho vai ganhar uma vaga para a Conferência do GP 2013, maior evento de conteúdo focado exclusivamente em planejamento do mercado publicitário brasileiro – e um dos maiores da América Latina, que será no dia 02 de dezembro, no WTC Convention Center, em São Paulo. No mesmo evento a Sandbox também lançará oficialmente os cursos que irá desenvolver.

 

Origem

 

O APSotW foi criado e desenvolvido pelo estrategista inglês Russell Davies. Periodicamente, Russell sugeria um exercício em seu blog e todos que quisessem responder com um trabalho receberiam um feedback personalizado, direcionado a cada participante. Um resumo dos aprendizados também era publicado. Essa atividade sempre foi oferecida gratuitamente, com o objetivo de ajudar a comunidade de estrategistas a se desenvolver. Desde então, o projeto mudou de coordenação, mas manteve o mesmo espírito.

 

 

Sobre o Grupo de Planejamento

 

Grupo de Planejamento é uma entidade sem fins lucrativos que tem como objetivo promover e desenvolver a atividade de planejamento no mercado publicitário no País. Responsável pelo #GP13, maior conferência da área de planejamento das Américas, hoje tem como presidente Marcio Beauclair, diretor de planejamento da agência Africa. A entidade ainda conta com Raphael Barreto (Giovanni+Draftfcb) como vice-presidente e Ira Finkelstein (Dentsu) como vice-presidente financeira.

 

Grandes nomes do mercado completam o time: Ana Cortat (Africa), Edu Lorenzi (Neogama/BHH), Cynthia Horowicz, Rita Almeida (CO.R), Laura Chiavone (Limo Inc. e DM9DDB) e Ulisses Zamboni (Santa Clara).

 

Sobre a Unplanned

É um coletivo de informações que pretende promover e fortalecer talentos e novas atitudes no mercado de Marketing e Comunicação. Com a evolução da disciplina de planejamento, o grupo propôs acompanhar as mudanças e fazer parte das transformações. O projeto é liderado por Carlos Henrique Vilela e André Foresti e busca provocar o mercado sobre a participação do pensamento estratégico para concepção do produto criativo.

 

 

Sobre a Sandbox Escola de Estratégia

 

A Sandbox é um lugar para praticar estratégia. Um lugar que sai só da teoria e acredita que o melhor jeito de evoluir é na prática: fazendo, arriscando, acertando, errando e, principalmente, tendo sempre um feedback sobre o trabalho. Essa troca é o fator que gera maior impacto na formação de um estrategista melhor. Daniel De Tomazo e Felipe Senise são os sócios da Sandbox Escola de Estratégia.

Brazilian broadcasters Band TV, Record, RedeTV! and SBT


 
 

GERMANY — Brazilian broadcasters Band TV, Record, RedeTV! and SBT are on the cusp of agreeing a $100m-plus, five-year TV audience measurement contract with GfK.

A memorandum of understanding was announced this week, coinciding with the global research group’s third-quarter results.

The deal, once signed, would see GfK track viewing of terrestrial, cable and satellite television – both live and time-shifted – within 6,000 homes.

Measurement would begin in 2015, covering Brazil’s 15 largest cities. The new ratings system would be a rival to that already in place, which is overseen by Ibope.

Gerhard Hausruckinger, management board member of GfK, said: “The partnership we are announcing in Brazil is a major strategic step for GfK that allows our TV audience measurement business to enter South America.

“Brazil offers huge potential, and we are delighted to have reached this memorandum of understanding with four leading national players to bring our expertise and experience to the Brazilian market. We expect the final agreement to be signed in the coming weeks.”

Fonte: Research Live

Kantar Worldpanel lança o novo retrato do consumo no Brasil


Fonte: ABMAPRO

 

Pesquisa aponta um consumidor mais decidido e atento às mudanças do País, além de retratar a briga de diversas marcas por categoria

 

 

Assim como as transformações econômicas e políticas nos últimos anos, o comportamento de consumo do brasileiro também tem encarado mudanças. Apesar de uma estagnação em 2012 e um início tímido em 2013, o primeiro semestre deste ano marca uma retomada do crescimento do consumo de bens não duráveis, aponta a Kantar Worldpanel.

De acordo com o instituto de pesquisa, em 2012, pela primeira vez, a educação apareceu entre as cinco principais contribuições para os gastos ao lado de alimentação e bebida dentro do lar, transporte, vestuário e serviços financeiros.

“Esse novo comportamento de consumo se reflete, e também está diretamente ligado, ao rápido avanço da tecnologia, principalmente no que diz respeito ao acesso à comunicação”, comenta Christine Pereira, diretora da Kantar Worldpanel. O número de usuários de smartphones cresceu, de 2012 para 2013, 185% e o de tablets 689%.

Indústria

Atualmente existem 28 marcas no mercado que se mantém líderes em seu segmento há 10 anos ou mais. Em 2003, esse grupo da elite era composto por 69 marcas. Isso mostra que se inicia uma guerra, na qual a tradição disputa contra a inovação a atenção do consumidor.

Na China, um novo produto é lançado a cada 2,15 minutos. Aqui no Brasil a situação é bem parecida.  “A cada 4 minutos o consumidor pode ver alguma novidade nas gôndolas, o que representa um crescimento de 69% das categorias no País. Isso mostra que o segredo para as marcas é inovar sempre”, explica a executiva. Até julho de 2012 haviam 228 mil produtos diferentes no mercado nacional. Só no último ano, surgiram cerca de 14.400 novos itens. Atualmente temos 233.200 mil diferenciações de itens circulando em lares que compram aproximadamente 2.7 unidades por dia.

Como sair vencedor dessa disputa:

•   Gerar novos momentos de uso do produto, criar a demanda em novos momentos de consumo;

•    Definição precisa do público-alvo, inovações focadas duplicam a possibilidade de sucesso;

•    Inovações genuínas têm mais apelo e um grande exemplo disso é o sucesso do iogurte grego, que já atinge 30% de penetração nas classes A e B;

•    A comunicação também é essencial, já que o consumidor não quer arriscar gastar o seu dinheiro em novos produtos se não tiver a certeza do benefício que ele vai lhe trazer;

•    Respeitar as diferenças regionais, principalmente em um país de dimensões continentais como o Brasil, é essencial para uma inovação de sucesso.

O medo do Big Data!


O termo da vez é Big Data.

No centro das discussões e projetos de uma gama impressionante de profissionais, parece trazer intrinsicamente a promessa de grandes realizações e Insight (termo adjunto ao Big Data, que manteve seu significando original: “a informação certa e na hora certa”).

As empresas – e os profissionais – esperam obter, a partir de grandes massas de dados estruturados, indicações claras (ou diretrizes) das decisões a tomar e, ao mesmo tempo, métricas inquestionáveis que garantam os investimentos realizados. E tudo isso, claro, sem grandes investimentos na equipe ou no tratamento dos dados que parecem estar quase prontos. É verdade que a possibilidade de desenvolver estratégicas de negócios é real. Mais importante ainda é a base que a análise de dados pode fornecer para o planejamento. Porém, do ponto de vista da disseminação da tecnologia necessária ainda existe um longo caminho a percorrer.

Em tradução livre, com comentários, de post de Timo Elliott, eis algumas das definições que coexistem hoje sobre Big Data:

O Big Data Original

Doug Laney do Gartner definiu o termo há 12 anos, apontado como indicadores os 3 Vs : Volume, Velocidade e Variedade. Obviamente, a cultura americana se encarregou de adicionar vários outros, tais como Validade, Veracidade, Valor e Visibilidade.

Big Data como Tecnologia

Mesmo criado há 12 anos, de repente o termo virou moda! Isso porque hoje, a tecnologia permite ter realmente muito mais volume, velocidade e variedade que antigamente. O que explica que na maior parte dos seminários e conferências sobre o assunto, você ouça falar muito mais em sistemas e ferramentas tecnológicas do que .em Volume, Velocidade e Variedade (atributos que já eram, aliás, característicos dos bancos de dados relacionais)

Big Data como Sinai

Citando Steve Lucas da SAP, Timo Elliot afirma que o “velho mundo” trata de “transações” e, devido ao tempo necessário para o registro dessas transações, sempre é tarde para fazer algo a partir delas. Ou seja, as empresas trabalham olhando no retrovisor. Já no “novo mundo” empresas podem usar “sinais” provenientes dos dados para antecipar o que vai acontecer e intervir para tirar o máximo de uma situação. Exemplos? O tracking que fazemos dos sentimentos sobre uma marca nas mídias sociais ou a manutenção preditiva (algoritmos complexos que determinam quando substituir uma peça de avião antes que haja paradas demais para a manutenção).

Big Data como Oportunidade

Timo lembra também que o 451 Research’s Matt Aslett define big data como a análise de dados previamente ignorados em função das limitações da tecnologia. Ou seja: imaginem tudo e o quanto se poderia estar analisando hoje de forma mais eficaz!!!! Por isso, pode-se dizer que Big Data é uma forma de denominar coisas antigas. É a mais fácil e cínica forma de uso do termo. Acontece quando projetos que eram possíveis anteriormente, usando as tecnologias da época (e que eram chamados de BI ou analytics) de repente são rebatizados.

Procure Consultécnicos! 1

Além todas as questões aqui levantadas, desses aspectos, também é importante ressaltar que um dos principais obstáculos é a falta profissionais que possam orientar os executivos e suas equipe de direcionamento na definição dos objetivos do uso de big data nas corporações. Sem o correto planejamento, fica muito mais difícil definir as ferramentas corretas para tratamento e análise dos dados, bem como para realizar a integração nos sistemas envolvidos nesse processo.

1 Artigo publicado no site da Aberje http://goo.gl/vMCNTX

Aberje

Veja nossa coluna na Aberje denominada “Consultécnicos” e entenda melhor porque a técnica deve sempre vir acompanhada do conhecimento

Mega Brasil

No próximo dia 19 de novembro Cristina Panella apresentará uma pesquisa sobre o Perfil do Profissional de Comunicação Interna no Seminário Mega Brasil.

Precisa de Consultoria sobre como planejar estudos e pesquisas para 2014?

Quer saber mais sobre Indicadores e Índices?

Fale com a gente!

 

Rua Deputado Lacerda Franco, 503 | 05418-001 | São Paulo | Tel.: +55 3063 0151

 

ABA promove I Fórum de Inteligência de Marketing


A ABA – Associação Brasileira de Anunciantes – promove no dia 28 de novembro o I Fórum Brasília de Inteligência de Marketing no Brasil 21Cultural.

Este é o primeiro encontro da entidade sobre o tema. Ele visa apresentar conceitos inovadores, quebrando velhos paradigmas e mostrando que é possível fazer mais e melhor em Marketing e Comunicação. Especialistas da área irão apresentar as melhores práticas, suas aplicações, casos de sucesso em um mercado publicitário em permanente mudança.

O Fórum foi criado para executivos e profissionais que atuam nas áreas de marketing e comunicação e de Inteligência de Marketing e Gestão do Conhecimento nas empresas; profissionais de Agências de Propaganda e Institutos de Pesquisa; Veículos de Comunicação, bem como Fornecedores dedicados à área e demais interessados no tema.

O Banco do Brasil é o patrocinador ouro do evento. As vagas são limitadas e o custo para o público em geral é de R$ 750,00. Para as entidades conveniadas R$ 650,00 e associados da ABA pagam R$ 500,00. As inscrições para o fórum podem ser feitas por meio do http://www.aba.com.br, no item eventos.

Veja abaixo a programação completa:

8h30 – 9h – Credenciamento e Welcome-Coffee

9h – 10h – DON´T ASK, DON´T TELL ! A BATALHA DIÁRIA DE ATIVAR CONHECIMENTO NAS EMPRESAS.
Richardson Nelson, Diretor de Inteligência de Mercado e Fidelização da Claro e Presidente do Comitê de Inteligência de Mercado da ABA

10h – 11h – O FIM DA ERA DA MESMICE
Neurociência Comportamental – What?
Como a emoção humana impacta na tomada de decisão do consumidor .
Billy Nascimento, Sócio-fundador da Forebrain Neurotecnologia.

Eye Tracking – What again?
O que os olhos “dizem” ao olhar uma propaganda
Ricardo Checchia, Sócio gerente – Checon Pesquisa

11h – 11h30 – Break

11h30/12h30 – REDES SOCIAIS – SE CORRER O BICHO PEGA…
Bernardo Fernandez, Vice-Presidente – Monumenta Comunicação e Estratégias Sociais.
Marcelo Coutinho, Diretor global de Inteligência de Mercado – Portal Terra.

12h30 – 13h – PASSANDO A LIMPO
Richardson Nelson, Claro e ABA.
Ricardo Checchia, Checon Pesquisa.
Billy Nascimento, Forebrain.
Bernardo Fernandez, Monumenta.
Marcelo Coutinho, Terra.
Otaviano Pereira, Presidente da ABA Brasília.

Serviço
28 de novembro
Local: Brasil21 Cultural – Teatro Juca Chaves – Setor Hoteleiro Sul (SHS), Quadra 06, Conjunto A, ao lado da Torre de TV – Plano Piloto.

PREÇO DA INSCRIÇÃO
> Público em geral: R$ 400
> Associados de Entidades Conveniadas: AMPRO, ABEP e CENP: R$ 320
> Associados da ABA: R$ 240
OBS: Desconto de 10% para inscrições realizadas até o dia 24 de outubro.
Incluso: Welcome, Breaks, Almoço, Tradução Simultânea, Material de Apoio e Certificado de Participação.
Informações pelo telefone 11.3283-4588 ou pelo e-mail eventos@aba.com.br

Sobre a ABA
A ABA – Associação Brasileira de Anunciantes é uma entidade sem fins lucrativos, criada para representar, defender interesses comuns e contribuir para a evolução e profissionalização de empresas anunciantes do Brasil. É responsável por cerca de 70% dos investimentos em propaganda no País.

É filiada à WFA – World Federation of Advertisers, entidade que congrega associações de anunciantes de 55 países, incluindo todas as principais economias mundiais e empresas responsáveis por mais de 60% dos investimentos publicitários internacionais.

A ABA também é fundadora e integrante do Conar – Conselho de Auto-Regulamentação Publicitária e do Cenp – Conselho Executivo das Normas-Padrão.